Terceirização (ou Sonhando em sair)

Quando trabalhei em uma loja de departamentos estava em uma função que era quase uma “casta” superior, algo tipo os Gamas, éramos ~Os Caixas~ (isso tudo porque recebíamos uma mixaria a mais, quebra de caixa, isso se não errássemos – ou fossemos roubados). Seguindo nesta lógica de pensamento, e chegando onde quero chegar, na casta inferior estavam os Deltas – o vendedores – e por fim os Ípsilons: os trabalhadores terceirizados.

O cansaço nos olhos

Os terceirizados eram responsáveis pela limpeza da loja, faziam uma atividade-meio, ou seja a loja vendia roupas, logo podia contratar pessoas que limpassem o local, que servisse o buffet etcetc. A razão de eu fazer uma analogia deste pessoal com os Ípsilons de Aldous Huxley, é que eles se quer eram considerados como trabalhadores daquele lugar e não importava que todos os dias a gente se via, conversava ou almoçava juntos:  eles estavam em uma posição estática, isolada. Não sairiam dali nunca a não ser que deixassem o emprego. E era o que acontecia. Por ser da limpeza, a maioria dos terceirizados eram mulheres e elas não aguentavam mais do 3 meses. Entravam no emprego sonhando em sair.

Minha memória não permite afirmar com certeza, mas acredito que ela faziam horários maiores do que os nossos. Não podiam participar das ações promovidas pela loja – aniversário, natal, etc – a única coisa que estavam autorizadas era chegar, limpar, ter um intervalo e sair. Talvez só quem já trabalhou para ver tamanha tristeza, tamanho cansaço, falta de fé na vida. Para mim este é o pior da terceirização. Enquanto a maioria discute impostos, produtividade, concursos públicos o que mais me perturba é a tristeza de mulheres que só existem, cansadas. Fazem o necessário para sobreviver, sonhando com a vida.

Desestruturando o serviço público

Em Santa Catarina estão fazendo coisa semelhante mas de maneira mais discreta, a greve dos professores do estado é muito pouco falada e, ao invés do sindicato despender energia para lutar pelos direitos, estão, pelo contrário, tendo que convencer seus colegas a perder o medo e entrarem de greve também. As ameaças e o medo rondam os chamados ACT’s (Admitido em Caráter Temporário), eles não participam do plano de carreira, não podem entrar em greve, logo não tem razão para se unir aos outros trabalhadores. E assim a educação pública é precarizada: a partir de sua estrutura interna.

As Organizações Sociais de Saúde (OSS) éoutro delicioso exemplo de como a terceirização só piora relações de trabalho. Com o discurso de ‘melhorar a saúde pública’ governos entregam a administração de unidades de saúde para estas benditas organizações “especializadas” em atendimento na saúde. Aqui vai a coisa engraçada: antes deste sistema não havia dinheiro para comprar papel higiênico e agora milhares, milhões, de reais são pagos para estas empresas. Legal, então o trabalhador recebe direitinho né? Não, os funcionários recebem atrasado, as empresas alegam que não tiveram repasse de verba e o que eles podem fazer? Entrar de greve e ser demitido no dia seguinte? Uma amiga trabalhou 4 meses sem receber e não podia fazer nada. Desesperador.

O resultado de terceirizações e contratos temporários é o enfraquecimento de quem trabalha, seja pela exaustão física, seja pela união dos trabalhadores. Enquanto isso nas castas superiores a riqueza se acumula cada vez mais na mão de cada vez menos pessoas. Por mérito? Acho que não, hein queridinha.


BÔNUS: Veja os casos que o Repórter Brasil reuniu mostrando como a terceirização facilitou situações análogas ao escravo.


Só a nível de curiosidade: os Betas seriam pessoas com falsos poderes, tipo supervisores, treinadores, gerentes e os Alfa nós se quer víamos, eram diretores, acionistas, enfim, aquela gente superior que não se mistura com a inferior. Veriam a tristeza no olhar e provavelmente não saberiam lidar com isso. 

14 (+1) vezes que me perguntei por que fiz 4 anos de faculdade

Certamente uma depressão já te pegou e você ficou se questionando porque fez aquela faculdade, escolheu aquele emprego e qual o sentido da vida do universo e tudo o mais. Normal.

Mas a exposição envolvendo o jornalista nos dá motivo de sobra para perguntar “Oh Céus! Por que fiz quatro anos de faculdade?“. Separei aqui alguns momentos em que o desgosto bateu forte, mas não desisti, terminei e hoje tô diplomada!  Bora lá?

1. Podemos tirar se achar melhor. Sem palavras. Assim. Fica. Difícil. Te. Defender. Miga.

podemos tirar se achar melhor reuters o globo Continuar lendo